Investigaçao Sobre um Cidadão Acima de Qualquer Suspeita

December 16th, 2009 Comments off

Título original: Indagine su un cittadino al di sopra di ogni sospetto

Inspetor do alto escalão da polícia italiana, com reputação ilibada, fama de incorruptível, mas reacionário, mata sua amante, Augusta Terzi, e tenta incriminar um jovem esquerdista, que também tinha um caso com ela.

Por chefiar as investigações, ele tem certeza de que está acima de qualquer suspeita.
Testa se a polícia irá acusá-lo por isso e durante o filme ele vai plantando pistas óbvias que o identificam como o assassino ao mesmo tempo em que vê os colegas ignorando-as, intencionalmente ou não.

Elenco principal: Gian Maria Volonté (Inspetor de Polícia), Florinda Bolkan (Augusta Terzi), Orazio Orlando (Biglia), Arturo Dominici (Mangani), Sergio Tramonti (Antonio Pace), Aldo Rendine (Nicola Panunzio), Gianni Santuccio (Chefe de Polícia)

Direção: Elio Petri (1970)

Categories: Filmes Tags:

Simple Man

December 15th, 2009 Comments off

Simple Man” is the fourth track on Lynyrd Skynyrd’s first album, (pronounced ‘le(h-‘nérd ‘skin-‘nérd).

Composition

Shortly after Ronnie Van Zant’s grandmother and Gary Rossington’s mother died, they got together in Van Zant’s apartment and shared stories about their mothers.

Rossington came up with a chord progression, and Van Zant wrote the lyrics based on advice the women had given them over the years. They wrote it in approximately an hour.

Even though the lyrics state, “Sit beside me, my only son,” Ronnie was not the only son.

He had two younger brothers along with one older sister and one younger sister. Actually the song says “when I was young” so therefore, his younger brothers may not have been born yet, making him the only son.

Cover versions

Shinedown recorded an acoustic version for their debut album Leave a Whisper. Deftones included a rendition on their compilation album B-Sides & Rarities, and a version by Alessi’s Ark appeared on a bonus disc issued with the 2009 Notes from the Treehouse album.

Live performance popularity

Frontman Johnny Van Zant discussed this song in a track-by-track commentary to promote the band’s 2010 CD/DVD Live From Freedom Hall. He said: “Well that’s a great song and something that I think we all live by. I think anybody out there needs to respect their mother, and the words of their mother. It’s mama talking to you in that song and I think it’s probably one of my favorites if not my favorite to do live. It’s just a great song and that one stays in the set and the crowd always goes crazy on that one.”

Source: Wikipedia


Simple Man Lyrics (Ronnie Van Zant and Gary Rossington)

Mama told me when I was young
Come sit beside me, my only son
And listen closely to what I say
And if you do this it will help you some sunny day

Take your time, don’t live too fast
Troubles will come and they will pass
Go find a woman and you’ll find love
And don’t forget, son there is someone up above

And be a simple kind of man
Be something you love and understand
Baby, be a simple kind of man
Won’t you do this for me, son?
If you can?

Forget your lust for the rich man’s gold
All that you need is in your soul
And you can do this if you try
All that I want for you my son?
Is to be satisfied

And be a simple kind of man
Be something you love and understand
Baby, be a simple kind of man
Won’t you do this for me, son?
If you can?

Boy, don’t you worry, you’ll find yourself
Follow you heart and nothing else
And you can do this if you try
All I want for you my son
Is to be satisfied

And be a simple kind of man
Be something you love and understand
Baby, be a simple kind of man
Won’t you do this for me, son?
If you can?

Baby, be a simple man
Be something you love and understand
Baby, be a simple man


Lynyrd Skynyrd

Gov’t Mule

Brand New Sin

Lee Dewyze

Hank Williams Jr.

Shinedown

Deftones

Michael Grimm

Skrewdriver
http://www.youtube.com/watch?v=reuJJXaPP2c

Categories: Músicas e Músicos Tags:

I’d Rather Go Blind

December 15th, 2009 Comments off

I’d Rather Go Blind” is a Blues song written by Ellington Jordan and co-credited to Billy Foster. It was first recorded by Etta James in 1968, and has subsequently become regarded as a blues and soul classic.

Original version by Etta James

Etta James wrote in her autobiography Rage To Survive that she heard the song outlined by her friend Ellington “Fugi” Jordan when she visited him in prison. She then wrote the rest of the song with Jordan, but for tax reasons gave her songwriting credit to her partner at the time, Billy Foster.

Etta James recorded the song at the FAME Studios in Muscle Shoals, Alabama. It was included on the album Tell Mama and as the B-side of the single of the same name which made number 10 on the Billboard R&B charts and number 23 on the pop charts. Some critics have regarded “I’d Rather Go Blind” as of such emotional and poetic quality that it makes that release one of the great double-sided singles of the period. Critic Dave Marsh put the song in his book The Heart of Rock and Soul: The 1001 Greatest Singles Ever Made.

Other versions

It has since been recorded by a wide variety of artists, including Clarence Carter, blind from birth, on his 1969 album The Dynamic Clarence Carter. Other recordings include those by Little Milton, Chicken Shack, Koko Taylor, Man Man, Rod Stewart, B.B. King, Paul Weller, Ruby Turner, Marcia Ball, Sydney Youngblood and Beyoncé Knowles for the Cadillac Records Soundtrack.

The song reached number 14 on the UK pop charts in 1969 in a version by British blues band Chicken Shack, featuring Christine Perfect, later to become Christine McVie of Fleetwood Mac.

Rod Stewart covered the song on his 1972 album Never a Dull Moment. Etta James refers to Stewart’s version favorably in her autobiography, Rage to Survive.

A version of the song was the follow-up single to UK singer Sydney Youngblood’s third single release, “Ain’t No Sunshine”, which was popular in the UK. Although “Ain’t No Sunshine” peaked in the UK Top 20, “I’d Rather Go Blind” missed the Top 40, peaking at number 44 on the UK pop charts. However, it appeared on Now That’s What I Call Music! 17. It appeared on the CD before the actual single was released.

On the British version of The X Factor, the song has been covered by Ashley McKenzie (Series 3), and Katie Waissel (Series 7).

A version of this song has been performed by Paolo Nutini Australian musician Toby, and American folk singer Holly Miranda.

Source: Wikipedia


I’d Rather Go Blind Lyrics (Ellington Jordan and Billy Foster)

Something told me it was over
when I saw you and her talking
Something deep down in my soul said
“Cry Girl”
When I saw you and that girl
Walking out

I would rather
I would rather
Go blind, boy
Than to see you walk away
From me chile

Ooooo, So you see I love you so much
That I don’t want to watch you leave me, baby
Most of all I just don’t
I just don’t want
To be free, no

I was just
I was just
I was just
Sitting here thinking
Of your kisses

And your warm embrace, yeah
When the reflection
In the glass that I held
To my lips now, baby
Revealed the tears
That was on my face, yeah

And baby, baby
I would rather be blind, boy
Than to see you walk away
See you walk away from me, yeah
Baby, baby, baby
I’d rather be blind now


Etta James
http://www.youtube.com/watch?v=YApNirMC9gM

Etta James & Dr. John
http://www.youtube.com/watch?v=o2mhdidocTM&feature=related

Beyonce
http://www.youtube.com/watch?v=1WIf04F04Bs&feature=fvst

Ruby Turner

Margie Joseph
http://www.youtube.com/watch?v=u-Uu3XBrYPQ&feature=related

Chicken Shack

Michael Grimm

Jessica Sanchez

The Faces (Rod Stewart)
http://www.youtube.com/watch?v=0jPdKHwFfwc&feature=related

Mary Coughlan

Dana Fuchs

Christine McVie

Oscar Benton

Gov’t Mule

Scott Holt Band

Koko Taylor

Irma Thomas

Bettye Swann

Barbara Lynn
http://www.youtube.com/watch?v=LdAM8wepfxY&feature=related

The Del Moroccos

Man Man

Categories: Músicas e Músicos Tags:

Supertramp

December 13th, 2009 Comments off

Supertramp é uma banda britânica de rock progressivo que obteve grande sucesso nos anos 70 e início dos anos 80 e que venderam mais de 70 milhões de álbuns.

Patrocinado pelo milionário holandês Stanley August Miesegaes, o vocalista, pianista e ex-baterista Rick Davies pôs um anúncio no jornal Melody Maker em busca de integrantes para a formação do grupo, em agosto de 1969.

Rick Davies então juntou-se aos músicos Roger Hodgson (vocal, guitarra e teclados), Richard Palmer (guitarra, balalaika e vocais) e Robert Millar (percussão e harmônica).

A banda inicialmente chamava-se Daddy, tendo o nome posteriormente alterado para Supertramp, que ao pé da letra quer dizer “super andarilho”, inspirado num livro de W.H. Davies, “The Autobiography of a Super-Tramp”.

O recém-batizado Supertramp foi um dos primeiros grupos de rock a assinar com A&M Records inglesa, e o primeiro álbum foi lançado em julho de 1970. Apesar das boas críticas, foi um fracasso comercial – tanto que só saiu oficialmente nos Estados Unidos em 1977.

Richard Palmer, desgostoso, resolveu sair seis meses depois do lançamento do primeiro LP, e Robert Millar teve uma crise nervosa logo em seguida. Foram substituídos por Frank Farrell (baixo), Kevin Currie (bateria) e Dave Winthrop (flauta e saxofone).

O álbum com esta formação, Indelibly Stamped, enfim trazia as marcas registradas da banda: as harmonias vocais entre Davies e Hodgson, e solos de saxofone. Mas também foi um fracasso de vendas, o que fez com que Miesegaes retirasse o patrocínio. Novamente o grupo debandou, restando apenas Hodgson e Davies.

No final de 1972, convocaram o baixista Dougie Thomson, o baterista Bob Siebenberg (que era um americano vivendo ilegalmente na Inglaterra, daí seu pseudônimo “Bob C. Benberg”) e o homem que deu o toque final ao som do grupo, John Helliwell (saxofone e sopros em geral, vocais).

Essa formação lançou Crime of The Century em 1974 e finalmente fez sucesso com “Dreamer”, “School”, “Bloody Well Right”, entre outros hits.

O disco seguinte, Crisis? What Crisis?, de 1975, não foi tão bem nas vendas, mas Even in the Quietest Moments, de 1977, recolocou o Supertramp no topo das paradas musicais com “Give a Little Bit” e “Fool’s Overture”. Breakfast in America, de 1979, trouxe mais sucessos (“The Logical Song”, “Take the Long Way Home”, “Goodbye Stranger”, “Breakfast in America”) e vendeu 18 milhões de cópias.

O ano de 1982 não foi bom para o grupo. Após tantos anos de sucesso, Roger Hodgson resolveu abandonar a banda após a turnê de …Famous Last Words…. Existem várias especulações sobre sua saída, e nenhuma delas convenceu na época.

Alguns diziam que Hodgson se sentia musicalmente limitado (o que não se sustenta, já que seus discos solo são bem parecidos com o material habitual do Supertramp); até que, em uma entrevista, Hodgson revelou que deixou a banda porque sua esposa na época não se dava bem com a esposa de Rick Davies.

Davies resolveu manter o Supertramp na ativa com o álbum Brother Where You Bound, iniciado pelo single “Cannonball”. A faixa título do álbum, de 16 minutos de duração, conta com a participação especial de David Gilmour, do Pink Floyd.

Em 1996, Davies reformou o Supertramp com Helliwell, Siebenberg e Hart, mais alguns músicos de estúdio.

Essa formação gravou o album de estudio Slow Motion em 2002, quando o grupo entra em hiato novamente, a despeito de uma nova e igualmente fracassada tentativa de voltar à ativa com Hodgson em 2005.

Em 2010 o Supertramp,reformado mais uma vez,entra em turnê para comemorar o 40 º aniversário do primeiro lançamento do grupo. Roger Hodgson, que não está incluído nesta turnê.

Formação atual

  • Rick Davies – vocais, teclado, gaita, composição, melodia (1969–1988, 1996–2002, desde 2010,)
  • John Helliwell – vocais, instrumentos de sopro, teclado, sintetizadores (1973–1988, 1996–2002, desde 2010)
  • Bob Siebenberg – bateria, percussão (1973–1988, 1996–2002, desde 2010)

Ex-Integrantes

  • Roger Hodgson – vocais, violão, teclado, baixo, violoncelo, flauta, composição (1969–1983)
  • Dougie Thomson – baixo, backing vocals (1972–1988)
  • Mark Hart – vocais, teclado, violão (1985–1988, 1996–2002)
  • Tom Walsh – percussão (1996–1997)
  • Kevin Currie – percussão (1971–1973)
  • Richard Palmer-James – vocais, guitarra, violão, balalaika (1969–1971)
  • Bob Millar – percussão, gaita (1969–1971)
  • Keith Baker – bateria (1969)
  • Dave Winthrop – flauta , saxofone, vocais (1970–1973)
  • Frank Farrell – baixo, teclado, backing vocals (1971–1972)

Fonte: Wikipedia

Visite o Site Oficial do Supertramp

The Logical Song
http://www.youtube.com/watch?v=tWKYkK1L7S0&feature=related

Take The Long Way Home
http://www.youtube.com/watch?v=-nvT3_iSaHU

Breakfast In America
http://www.youtube.com/watch?v=NeT48zbOLiA&feature=related

Crime of the Century

Goodbye Stranger
http://www.youtube.com/watch?v=mFv5lgT8mc8

Give Me A Chance

My Kind Of Lady
http://www.youtube.com/watch?v=yW5BCGIMyPQ&feature=related

Brother Where You Bound

Cannonball

I’m Beggin’ You

Better Days

Free As A Bird

Slow Motion

Categories: Músicas e Músicos Tags:

Roger Hodgson

December 13th, 2009 Comments off

Roger Hodgson (registrado como Charles Roger Pomfret Hodgson, nasceu em 21 de Março de 1950, em Portsmouth, Hampshire, England) é um músico e cantor inglês e co-fundador da banda progressiva Supertramp.

Conhecido por sua voz poder atingir altos agudos, uma marca registrada do Supertramp.

Hodgson nasceu em 1950 e cresceu em Oxford, England numa família de classe média alta. Estudou na famosa Stowe School, em Buckinghamshire.

Ele é conhecido por ter escrito a música “Breakfast in America” ainda na adolescência.

Fase Supertramp (1969-1983)

Igual a Lennon/McCartney, todas as músicas do Supertramp eram registras em nome da dupla Davies/Hodgson, apesar dos mesmos só terem escrito juntos apenas uma música ‘School’, sendo que na maior parte das vezes, o autor era quem a cantava. Roger Hodgson é o autor dos maiores sucessos do Supertramp, tais como “The Logical Song”, “Dreamer”, “Give A Little Bit”, “Breakfast in America”, “It’s Raining Again”, “Take the Long Way Home” e “Fool’s Overture”.

Fase solo (A partir de 1984)

Após sair do Supertramp, em 1983, Hodgson investiu numa carreira solo, lançando em 1984 o álbum In The Eye of the Storm. Imediatamente comparado ao estilo do Supertramp, incluia faixas tais como “Had a Dream (Sleeping with the Enemy)” and “In Jeopardy”.

Neste álbum, Hodgson tocou todos os instrumentos, escreveu todas as músicas, além de ter produzido o álbum.

Seu segundo álbum, em 1987, Hai Hai tinha um estilo mais orientado à experimentação, mas mantendo o estilo de escrever de Hodgson. Antes do lançamento de Hai Hai, Hodgson sofreu um grave acidente em casa, onde fraturou gravemente ossos dois pulsos, fato que o impossibilitou de divulgar o álbum.

Após um longo tempo parado, se recuperando do acidente, Hodgson volta agora mais espiritualizado e faz sua segunda turnê (desde 1984), que resultou no álbum “Rites of Passage” em 1997.

A turnê foi realizada com uma banda completa, incluindo seu filho, Andrew, e o saxofonista do Supertramp John Helliwell. Em 1998, Hodgson faz sua primeira turnê mundial.

Hodgson aparece no álbum Excalibur: La Legende Des Celtes com duas canções: “The Elements,” e “The Will of God.” O projeto foi encabeçado por Alan Simon e lançado em 1999.

Em 2000, Roger Hodgson participou dos vocais na faixa “The Moon Says Hello” de Carlos Núñez do CD Mayo Longo.

O terceiro álbum solo de Hodgson se chamou Open the Door, gravado na França, e lançado em 2000,

Em 2001, ele participou como membro da All-Starr Band tocando o vilão principal, e a partir dessa experiência, tem composto com Trevor Rabin (que apareceu em uma das faixas do disco Open the Door) e Ringo Starr.

Ele também é co-autor do single “Walls” no disco Talk da banda Yes.

Hodgson continua fazendo concertos solos, mas às vezes ele é acompanhado por músicos ou uma grande orquestra. Ele participou da série Night of the Proms concert series na Bélgica e Alemanha em 2004, como também do festiva do rock, Bospop in 2005.

Em Maio de 2006, Roger Hodgson foi homenageado pela ASCAP (Sociedade Americana de Compositores, Autores e Editores), pela autoria da música Give a Little Bit, uma das músicas mais tocadas do Acervo da ASCAP em 2005.

Em Abril de 2008, ele foi homenageado pela ASCAP novemamente pela músicas Cupid’s Chokehold, uma regravação de Breakfast in America feita pela banda Gym Class Heroes.

Em 30 de Novembro de 2005, fez seu primeiro concerto na Inglaterra após 20 anos, no Shepherd’s Bush, Londres. A apresentação foi documentada e agendado para virar um DVD, a idéia, porém, foi abortada.

O concerto acontecido no Palácio das Artes de Montreal, Canadá em 6 de Junho de 2006 acabou sendo seu primeiro DVD, lançado em 21 de Agosto de 2006, intitulado Take The Long Way Home – Live In Montreal. Em Outubro de 2006, o DVD recebeu o disco de platina pela CRIA (Assossiação Canadense das Indústrias de Estúdios de Gravação).

Hodgson participou como orientador (mentor) na versão canadense de ‘Ídolos’, junto com Dennis DeYoung.

Em 2007, Hodgson tocou no Concerto para Diana, no Estádio Wembley em Londres no Reino Unido no dia 1° de Julho de 2007. Ele tocou um pout-pourri de suas músicas mais famosas: “Dreamer”, “The Logical Song”, “Breakfast in America” e “Give A Little Bit”.

Fonte: Wikipedia

Visite o Site Oficial de Roger Hodgson

The Logical Song

Hungry

Don’t Leave Me Now

Take The Long Way Home

Breakfast In America

Lovers In The Wind
http://www.youtube.com/watch?v=lcfrAIVidao

Dreamer
http://www.youtube.com/watch?v=-qKtaezA9Xc&feature=related

Only Because Of You

It’s Raining Again

Two Of Us

In Jeopardy
http://www.youtube.com/watch?v=GLyVA9k52IQ&feature=related

Give A Little Bit

Lord Is It Mine

London

Fool’s Overture

Categories: Músicas e Músicos Tags:

Lynyrd Skynyrd

December 12th, 2009 Comments off

Lynyrd Skynyrd é uma banda de southern rock estadunidense. Tornou-se conhecida no sul dos Estados Unidos em 1973, ganhando maior notoriedade internacional principalmente após a morte de diversos integrantes e do principal compositor Ronnie Van Zant em um acidente aéreo ocorrido em 1977 próximo a Gillsburg, Mississipi.

A banda retornou em 1987, tendo como líder Johnny Van Zant,e continua a gravar e a se apresentar até hoje. O grupo foi incluído no Hall da Fama do Rock and Roll em 13 de março de 2006.

O núcleo do que mais tarde viria a ser o Lynyrd Skynyrd foi formado em meados de 1964, na cidade portuária de Jacksonville, sul da Flórida. Ronnie Van Zant e um vizinho, Robert Burns (Bob), que tinha uma bateria, se juntaram ao colega de escola Gary Rossington que por sua vez, sugeriu para a então banda em formação o baixista Larry Junstrom.

Faltava à banda de garotos um amplificador. Por ter o aparelho e também tocar guitarra, além de ser colega de escola dos outros integrantes, Allen Collins (Larkin Allen Collins Jr.), então no The Mods, juntou-se à banda iniciante.

Começaram a tocar influenciados por country, rock britânico (Rolling Stones, Yardbirds, Cream) e blues. Os barulhentos ensaios aconteciam na garagem da casa de Burns. “Nos plugávamos nossas guitarras no canal limpo, Ronnie colocava seu microfone no normal – eram os três em um amplificador – e Bob tocava bateria. Foi assim que começamos”, disse Gary.

Neste período a banda mudou várias vezes de nome: o primeiro foi My Backyard, seguido por Noble Five, Wildcats, Sons of Satan, Conqueror Worm, Pretty Ones, e One Percent.

O nome Lynyrd Skynyrd surgiria um pouco mais tarde. Durante um show, Ronnie Van Zant anunciou a banda com o nome de Leonard Skinner – o famigerado instrutor de ginástica dos então estudantes Ronnie, Gary e Bob na Robert Lee High School em Jacksonville, que vivia dando suspensão aos garotos por causa dos seus longos cabelos, comportamento que se chocava contra as rígidas normas da escola.

“Nós somos (a banda) One Percent, mas vamos mudar nosso nome esta noite. Todos que quiserem que mudemos para Leonard Skinner, aplaudam!”, disse Ronnie. A platéia conhecia o professor e aprovou o nome no ato. Em seguida, os membros substituíram as vogais por Y, segundo Gary, “para preservar a identidade do culpado”.

Passaram a ensaiar numa espécie de barracão de madeira e zinco, tão pequeno e quente que foi apelidado pelos integrantes de “Hell House”, ao sul de Jacksonville. Foi no calor sufocante da Hell House que o som da banda começou a tomar forma – country, blues e hard rock eram a base sonora do grupo. A despeito das condições severas, a banda estava determinada a ser bem-sucedida, a não perder de vista seus sonhos. Além de músicas próprias, tocavam covers entre outros, de Cream e Creedence Clearwater Revival.

Fazem uma turnê com a banda Strawberry Alarm Clock. A banda começa a ter o nome destacado, estabelecendo-se no sul (Flórida, Tennessee, Geórgia e Alabama) como um bom grupo ao vivo. Neste tempo, juntam-se ao Lynyrd Skynyrd os roadies Dean Kilpatrick e Kevin Elson.

Source: Wikipedia

Beyond the tragedy, the history, the raging guitars and the killer songs, ultimately, Lynyrd Skynyrd is about an indomitable will. About survival of spirit; unbowed, uniquely American, stubbornly resolute.

With their first set of new studio material since 2003’s Vicious Cycle, legendary rock band Lynyrd Skynyrd returns with God & Guns, due out September 29 on Loud & Proud/Roadrunner Records. Recorded in Nashville in 2008-2009, the project was interrupted—but, tellingly, not ended—by the deaths of founding member/keyboardist Billy Powell and longtime bassist Ean Evans earlier this year.

Driven by core members Gary Rossington (guitar), Johnny Van Zant (vocals) and Rickey Medlocke (guitar), along with longtime drummer Michael Cartellone, Lynyrd Skynyrd have recorded an album (“under duress, as usual,” according to Van Zant) that very much lives up to the legacy begun some 35 years ago in Jacksonville, Florida, and halted for a decade by the 1977 plane crash that killed three band members, including Ronnie Van Zant and Steve Gaines. Since then, the band tragically lost Allen Collins, Leon Wilkeson and Hughie Thomasson, yet they rock on.

With the passing of Powell and Evans, “a lot of people probably expected us to say enough is enough,” admits Medlocke. But that would not be the way of this Rock & Roll Hall of Fame powerhouse. With a catalog of over 60 albums and sales beyond 30 million, Lynyrd Skynyrd remains a cultural icon that appeals to all generations, and God & Guns is a fitting addition to the canon. The Skynyrd Nation awaits.

“We wanted to show the people that not only are we doing the old material, keeping the music going, but we still have some new tricks up our sleeves, too,” says founding guitarist Gary Rossington.

Returning to the studio after the death of Powell, whose keyboards can be heard on more than half the songs on God & Guns, was “very difficult, I ain’t gonna lie to you,” says Van Zant. “But we got through it, as Lynyrd Skynyrd seems to always do. Music’s a great healer. These songs needed to be out there, this record needed to be made. Gary, Rickey and myself just said ‘let’s go for it, let’s get this thing done.’”

Unfortunately, coping with loss is familiar to this band. “We just kind of fell back in,” says Rossington. “We’ve been doing this a long time, so you just kind of do what you do. As you get older, you get a little more used to it. You know it’s coming, and it’s coming to you, too. I just thank God for every day and all the time I had with the guys that aren’t with us anymore.”

The crying is over and now it’s time to rock. “We’ve had some really bad moments this year already, and I’m glad we’re able to pick ourselves up by our boot straps and just continue to play,” says Medlocke. “For us to weather through this makes this record even more special. I’m sure Billy and Ean are looking down upon us with big smiles.”

With noted rock producer Bob Marlette, input from guitarist John 5, and a wealth of material written by the band and a cadre of elite Skynyrd-minded songwriters, a remarkable album emerged. “We never really worked with producers that well, we kind of always wanted to do it our way,” admits Rossington. “But Bob Marlette came on and he’s such a great guy; he figured out how to talk to us musically, and we became friends instantly.

He had a lot of fresh ideas and ways to do things, and also wanted to capture the old sounds, too.”

Of John 5, Rossington adds, “he’s probably one of the best guitar players I’ve ever played with, and I’ve played with a lot of great ones. He just lives with a guitar on him, and he knows that neck like nobody I’ve ever seen.”

With a backbone of Southern rock and country, passionate Van Zant vocals, and trademark layered guitars, God & Guns manages to maintain the iconic Skynyrd punch while sounding completely contemporary.

Sure to attract attention in these politically divided times is the title track, which harbors a sense of menace and unwillingness to back down that hearkens back to Skynyrd’s earliest days. The band knows the song, and others like “That Ain’t My America,” will have their critics, but Medlocke says listeners should get beyond the title.

“It’s not just the words ‘God and guns.’ you gotta look past that and look at what this country was founded on: freedom,” Medlocke says. “Everybody should be able to make their own decisions and not be led around by a nose ring and told what to do and when to do it.”

And if some critics don’t like it, “that’s called freedom of choice,” says Medlocke, who carries his Native American heritage with pride. “I’m sure some critics will look at it, God & Guns, the rednecks are back.’ Well, the guys in this band aren’t rednecks, Rickey Medlocke’s the only damn redneck in this band ‘cause I got red skin.”

The title track, along with the unmistakable Skynyrd bite of the first single “Still Unbroken,” form thematic songs for an album laden with attitude, heart and purpose. “Skynyrd’s about tradition,” says Medlocke. “We are guys that don’t go around preaching about our own personal or political beliefs, although I’m sure you could probably guess mine.

In this record is personal tragedy, personal relationships and being on the road, all under that umbrella of real life. That’s what we think, that’s what we believe, and we stand next to that title, God & Guns.”

To portray Skynyrd as a bunch of “gun nuts” would be incorrect, according to Van Zant. “I’m kind of like Ronnie, ‘handguns are made for killing,’ and I’ve never seen anybody shoot a deer with a .38,” he says. “I do own a bunch of rifles, I live out in the swamp, and you’ve got to protect yourself.”

Skynyrd is a band, after all, that has never shied away from standing up and speaking for a segment of the population whose voices are seldom heard. “Everybody’s so scared to say stuff these days, that’s not what I’m about,” says Van Zant. “We live in America, we can speak our minds. These are our values. That doesn’t mean we’re always right in everybody’s mind. Hopefully, we don’t offend a bunch of people. And if we do, well, get a record deal, man, and make your own songs.”

This is a band well aware of the responsibility that comes with putting the name ‘Lynyrd Skynyrd’ on anything, be it an album or a concert. “We feel like we have to keep the standards high,” says Rossington. “I wouldn’t put this record out, I’d fight not to, if I didn’t think it was good.”

And so Skynyrd stands, “still unbroken,” in 2009. “People may say, ‘they need the money,’ well I don’t think any of us need the money,” Van Zant says. “It’s just that we love the music, it’s bigger than the money, it’s not even about that any more.

We have to make a living, sure, but it’s about the legacy of Lynyrd Skynyrd, and what it stands for, what the fans are all about.

There’s nothing like getting out there playing a great show with Skynyrd and seeing people love this music.”

Adds Rossington, “We’re still standing, still keeping the music going. We wanted to do the guys who aren’t with us any more proud, and keep the name proud, too.”

Gary Rossington- Guitar Johnny Van Zant- Vocals Rickey Medlocke- Guitar Mark “Sparky” Matejka- Guitar Michael Cartellone- Drums Robert Kearns – Bass Peter “Keys” Pisarczyk – Keyboards Honkettes: Dale Krantz Rossington- Backing Vocals Carol Chase- Backing Vocals.

Source: Lynyrd Skynyrd website

Simple Man

That Smell

Sweet Home Alabama

Free Bird

Tuesday’s Gone

On The Hunt

Saturday Night Special

Gimme Back My Bullets

Call Me The Breeze

Travellin’ Man

The Ballad Of Curtis Lowe Hughie Tomasson

Gimme Three Steps

Christmas Time Again

What’s Your Name

Searching

God and Guns

Floyd

I Need You

Still Unbroken

Comin’ Home

Every Mother’s Son

Lucky Man

All I Can Do Is Write About It

Crossroads

Categories: Músicas e Músicos Tags:

Summer In The City

December 12th, 2009 Comments off

Summer in the City” is the title of a song recorded by The Lovin’ Spoonful, written by Mark Sebastian (brother of John Sebastian) and Steve Boone.

It came from their album Hums of the Lovin’ Spoonful and it reached number one on the Billboard Hot 100 in August 1966.

The song featured a series of car horns, during the instrumental bridge, starting with a Volkswagen Beetle horn, and ending up with a jackhammer sound, in order to give the impressions of the sounds of the summer in the city.

The song is ranked number 393 on Rolling Stone’s list of The 500 Greatest Songs of All Time. The signature keyboard part is played on a Hohner Pianet, and the organ is a Vox Continental. When at Blair Academy, Mark Sebastian submitted the lyrics as a poem for the literary magazine.

That poem, entitled “Summer In the City,” had the refrain “but at night it’s a different world, go out and find a girl, come on, come on and dance all night, despite the heat it’ll be alright, and babe don’t you know it’s a pity, the days can’t be like the night, in the summer in the city.”

His older brother John changed the slower verses to a more upbeat model, keeping the title and the refrain. Mark’s part remains as he wrote it, words and music. Bassist Steve Boone added the instrumental coda in the middle.

Source: Wikipedia


Summer In The City Lyrics (Mark Sebastian and Steve Boone)

Hot town, summer in the city
Back of my neck getting burnt and gritty
Been down, isn’t it a pity
Doesn’t seem to be a shadow in the city

All around, people looking half dead
Walking on the sidewalk, hotter than a match head

But at night it’s a different world
Go out and find a girl
Come-on come-on and dance all night
Despite the heat it’ll be alright

And babe, don’t you know it’s a pity
That the days can’t be like the nights
In the summer, in the city
In the summer, in the city

Cool town, evening in the city
Dressed so fine and looking so pretty
Cool cat, looking for a kitty
Gonna look in every corner of the city
Till I’m wheezing at the bus stop
Running up the stairs, gonna meet you on the rooftop

But at night it’s a different world
Go out and find a girl
Come-on come-on and dance all night
Despite the heat it’ll be alright

And babe, don’t you know it’s a pity
That the days can’t be like the nights
In the summer, in the city
In the summer, in the city

Hot town, summer in the city
Back of my neck getting dirty and gritty
Been down, isn’t it a pity
Doesn’t seem to be a shadow in the city

All around, people looking half dead
Walking on the sidewalk, hotter than a match head

But at night it’s a different world
Go out and find a girl
Come-on come-on and dance all night
Despite the heat it’ll be alright

And babe, don’t you know it’s a pity
That the days can’t be like the nights
In the summer, in the city
In the summer, in the city


The Lovin’ Spoonful

Joe Cocker

Styx

Del Shannon

Isaac Hayes

Quincy Jones

The Drifters

Barry Hay & The Metropole Big Band

Gutter Brothers

The Marmalade

Evolution

The Modbeats

Butthole Surfers

Eels

Inner Circle

Jeff McNeal

Normaal

Eläkeläiset

Max Werner
http://www.youtube.com/watch?v=HRAKB0zBGrc

The Stranglers

Categories: Músicas e Músicos Tags:

Leonard Cohen

December 7th, 2009 Comments off

Leonard Norman Cohen (Montreal, 21 de setembro de 1934) é um cantor, compositor, poeta e escritor canadense.

Embora seja mais conhecido por suas canções, que alcançaram notoriedade tanto em sua voz quanto na de outros intérpretes, Cohen passou a se dedicar à música apenas depois dos 30 anos, já consagrado como autor de romances e livros de poesia.

Biografia

Leonard Cohen nasceu em Montreal, província de Quebec, Canadá, de uma família judia de origem polonesa (polaca). A sua infância foi marcada pela morte de seu pai quando Cohen tinha apenas 9 anos, fato que seria determinante para o desenvolvimento de uma depressão que o acompanharia durante boa parte da vida.

Aos 17 anos, ingressa na Universidade McGill e forma um trio de música country. Paralelamente, passa a escrever seus primeiros poemas, inspirado por autores como García Lorca.

Consagração literária

Em 1956, lança seu primeiro livro de poesia, Let Us Compare Mythologies, seguido em 1961 por The Spice Box of Earth, que lhe conferiria fama internacional.

Após o sucesso do livro, Cohen decide viajar pela Europa, e acaba por fixar residência na ilha de Hidra, na Grécia, onde passa a viver junto com Marianne Jensen e seu filho, Axel.

Em 1963 lança The Favorite Game, sua primeira novela, seguida pelo livro de poemas Flowers for Hitler, em 1964, e pela sua segunda novela, Beautiful Losers, em 1966.

Em 2011 foi o vencedor do Prémio Príncipe das Astúrias das Letras.

Carreira musical

Já estabelecido como escritor, Cohen decide se tornar compositor. Para isso, muda-se para os Estados Unidos, onde conhece a cantora Judy Collins, que grava duas de suas composições (“Suzanne” e “Dress Rehearsal Rag”) em seu disco In My Life, de 1966.

No ano seguinte, Cohen participa do Newport Folk Festival, onde chama a atenção do produtor John Hammond, o mesmo que antes havia descoberto, dentre outros, Billie Holiday e Bob Dylan. Songs of Leonard Cohen, seu primeiro disco, é lançado no final do ano, sendo bem recebido por público e crítica.

Seu próximo disco, Songs from a Room, seria produzido por Bob Johnston, produtor dos principais trabalhos de Dylan nos anos 60. Embora não tão bem recebido quanto o anterior, contém a canção “Bird on the Wire”, que o próprio Cohen disse ser a sua favorita dentre as suas composições. Em 1971, lança Songs of Love and Hate, um disco mais sombrio que os anteriores. No mesmo ano, o diretor Robert Altman, em seu filme McCabe & Mrs. Miller, utiliza três canções de Cohen: “Sisters of Mercy”, “Winter Lady” e “The Stranger Song”, todas do primeiro disco do cantor.

Um novo livro de poemas, The Energy of Slaves, é lançado em 1972 e, no ano seguinte, o disco ao vivo Live Songs.

Também em 1973, por ocasião da Guerra do Yom Kipur, Cohen faz uma série de shows gratuitos para soldados israelenses. Baseada no poema “Unetaneh Tokef ” da tradição judaica, surgiria a canção “Who by Fire”, incluída no álbum New Skin for the Old Ceremony, a ser lançado no ano seguinte.

Recesso e parcerias

Após o disco de 1974, Cohen decide se afastar do mundo da música, resultado não só de uma confessa falta de inspiração, mas também de sua insatisfação com as exigências do mercado.

Seu retorno se daria em 1977 com Death of a Ladies’ Man, produzido por Phil Spector, que foi também o co-autor de quase todo o repertório do disco. O álbum foi marcado por atritos após as gravações, quando Spector se trancou em seu estúdio para o processo de mixagem, não permitindo que nem mesmo Cohen interferisse no resultado final. Por conta disso é até hoje notória a insatisfação do cantor com o disco, o qual classifica como sendo o mais fraco de todos. Em 1978, numa alusão ao álbum do ano anterior, seria a vez do lançamento do livro Death of a Lady’s Man.

Em 1979 reaproxima-se do estilo dos seus primeiros trabalhos com Recent Songs, cuja turnê foi registrada no disco Field Commander Cohen: Tour of 1979, lançado apenas em 2001. Entre os integrantes de sua banda de apoio encontravam-se Sharon Robinson, co-autora de várias canções de Cohen a partir da década de 80, e Jennifer Warnes.

Após a turnê, seguiu-se mais um período de reclusão, no qual dedicou-se à escrita e ao estudo do budismo. Só voltaria a lançar novos trabalhos em 1984, com o disco Various Positions e o livro de poemas Book of Mercy. Embora a essa altura sua popularidade nos Estados Unidos estivesse em baixa, sua música ainda fazia grande sucesso em alguns países da Europa como França e Noruega.

Ressurgimento e aclamação

Em 1988, retorna com o álbum I’m Your Man, aclamado por crítica e público. Parte dessa boa recepção deve ser creditada a Famous Blue Raincoat – The Songs of Leonard Cohen, disco tributo lançado por Jennifer Warnes um ano antes, que apresentou as canções do canadense a toda uma nova geração de fãs.

Paralelamente, muitos dos jovens músicos ligados ao folk e ao indie-rock da época diziam-se influenciados pelo trabalho do cantor. Parte desses músicos seria responsável pelo disco-tributo I’m Your Fan, lançado em 1991. Dentre estes, destacavam-se R.E.M., Ian McCulloch (vocalista do Echo & the Bunnymen) e Nick Cave and the Bad Seeds.

No ano seguinte lançaria The Future e, em 1994, Cohen Live, contendo registros de apresentações ao vivo entre os anos de 1988 e 1993.

Retiro budista

Em 1994, consolidando a sua aproximação com o budismo, Cohen passa a viver no mosteiro de Mount Baldy Zen Center, próximo de Los Angeles. Em 1996, seria ordenado monge zen, e ganharia o nome Dharma de Jikan (“silencioso”).

Nesse meio-tempo é lançado, em 1995, um outro disco-tributo, Tower of Songs, dessa vez com nomes mais conhecidos, como Elton John, Bono e Willie Nelson.

No mesmo ano é lançado o livro Dance Me to the End of Love, onde poesias suas são mescladas com pinturas do francês Henri Matisse.

Sua experiência no mosteiro iria até o ano de 1999, quando voltaria a morar em Los Angeles. Apesar disso, Cohen ainda se considera judeu, ressaltando que não procura “por uma nova religião”.

Retorno à música

Em 2001, lança Ten New Songs, seu primeiro disco de inéditas em sete anos, feito em parceria com Sharon Robinson. Em 2004 seria a vez de Dear Heather.

Em maio de 2006 é lançado o disco Blue Alert da cantora Anjani Thomas, sua namorada e ex-vocalista de sua banda de apoio. Cohen foi o produtor e co-autor de todas as faixas do disco.

Menos de um mês depois é lançado o aclamado documentário Leonard Cohen: I’m Your Man, onde relatos do cantor são intercalados com versões de suas músicas interpretadas por artistas como Rufus Wainwright e Nick Cave. No fim da película o próprio Cohen interpreta, junto ao U2, a música “Tower of Song”

Fonte: Wikipedia


Hallelujah

The Gypsy’s Wife

Dance Me To The End Of Kove

Woke Up This Morning

Joan of Arc

I’m Your Man

If It Be Your Will

Everybody Knows

Ain’t No Cure For Love

Waiting For The Miracle

Suzanne

In My Secret Life

Blessed Is The Memory

Here It Is

Tower of Song (com o U2)

Who By Fire

A Thousand Kisses Deep

Closing Time

Everybody Knows

Famous Blue Raincoat

Death Of a Ladies’ Man

Take This Waltz

Bird On The Wire

Everybody Knows
http://www.youtube.com/watch?v=9F8QM3tjkTE&feature=related

Never Any Good

So Long, Marianne

Democracy

Hey, That’s No Way To Say Goodbye

The Stranger Song

Dress Rehearsal Rag

Sisters Of Mercy

Tonight Will Be Fine

Story of Isaac

Categories: Músicas e Músicos Tags:

Hallelujah (Leonard Cohen)

December 6th, 2009 Comments off

Hallelujah” é uma música do cantor canadense Leonard Cohen. Gravada originalmente em 1984 para o álbum Various Positions, a canção já teve inúmeras versões cantadas por diversos artistas como Bon Jovi, John Cale, Jeff Buckley, Rufus Wainwright, K. D. Lang e Alexandra Burke ao redor do mundo e sendo incluída em trilhas sonoras de filmes e programas de televisão como Shrek.

Composição e gravação

“Hallelujah” foi escrita e originalmente composta ao longo de um ano. E diz-se ter sido um processo difícil e frustrante para Cohen.

Cohen diz que escreveu, pelo menos, oitenta versos, descartando a maior parte deles no processo de elaboração da canção. Leonard Cohen cita dizendo que: Eu preenchi dois bloco de notas e lembro-me estar em Nova Iorque, no carpete na minha roupa de baixo, batendo a cabeça no chão e dizendo: ‘Não posso terminar esta canção.”

Cohen primeiro gravou a canção no Quadrasonic Sound, em Nova Iorque em Junho de 1984, trabalhando com o produtor John Lissauer. A próxima gravação desta canção por Leonard Cohen foi capturada vivo em Austin, Texas, em 31 de Outubro de 1988 com a produção por Leanne Ungar e Bob Metzger.

Uma de suas versões mais recentes é do quarteto formado pelos de cantores noruegueses Espen Lind, Kurt Nilsen, Askil Holm e Alejandro Fuentes, de 2006 e que chegou ao topo da parada das rádios do país, sendo incluída no álbum Hallelujah Live lançado pelo grupo.

Versões “cover”

Nos últimos anos, “Hallelujah” foi realizada por um grande número e variedade de artistas. Além de sua primeira cover de Cale, a canção já foi realizada por cerca de 200 artistas em várias línguas.

Estatísticas da Recording Industry Association of America (RIAA), a Canadian Recording Industry Association, o Australian Recording Industry Association; e a Federação Internacional da Indústria Fonográfica mostram que, antes do final de 2008, mais de cinco milhões de cópias da canção vendida em disco compacto.

Tem sido objeto da rádio BBC documentário e foi destaque nas trilhas sonoras de diversos filmes e programas de televisão.

Ela foi coberta com um dueto com Justin Timberlake e Matt Morris, com Charlie Sexton na guitarra, durante uma internacional maratona em 22 de Janeiro de 2010, para beneficiar os esforços de ajuda após o terremoto de 2010 no Haiti.

Diferentes interpretações da música podem incluir diferentes versos, dos versos que Cohen escreveu originalmente em 1980.

Em Abril de 2009 a Radio CBS entrevistou, Cohen disse que considera o número de covers de sua canção “irónico e divertido”, já que quando ele escreveu a primeira canção, sua gravadora não iria colocá-lo para fora. No entanto, ele agora acha que a canção poderia beneficiar de uma pausa na exposição: “… Eu estava lendo uma resenha de um filme chamado Watchmen que utiliza o revisor e disse – “Podemos ter, por favor de uma moratória sobre Hallelujah em filmes e programas de televisão? “E eu meio que sinto o mesmo … Eu acho que é uma boa canção, mas eu acho que muitas pessoas também cantá-la”.

Fonte: Wikipedia


Letra de Hallelujah (Leonard Cohen)

Now I’ve heard there was a secret chord
That David played, and it pleased the Lord
But you don’t really care for music, do you?
It goes like this
The fourth, the fifth
The minor fall, the major lift
The baffled king composing Hallelujah

Hallelujah, Hallelujah
Hallelujah, Hallelujah

Your faith was strong but you needed proof
You saw her bathing on the roof
Her beauty and the moonlight overthrew you
She tied you
To a kitchen chair
She broke your throne and she cut your hair
And from your lips she drew the Hallelujah

Hallelujah, Hallelujah
Hallelujah, Hallelujah

Baby I’ve been here before
I know this room and I’ve walked this floor
I used to live alone before I knew you
I’ve seen your flag on the marble arch
But love is not a victory march
It’s a cold and it’s a broken Hallelujah

Hallelujah, Hallelujah
Hallelujah, Hallelujah

Well maybe there’s a god above
But all I’ve ever learned from love
Was how to shoot somebody who outdrew you
And it’s not a cry that you hear at night
It’s not somebody who’s seen the light
It’s a cold and it’s a broken Hallelujah

Hallelujah, Hallelujah
Hallelujah, Hallelujah

Baby I’ve been here before
I know this room and I’ve walked this floor
I used to live alone before I knew you
I’ve seen your flag on the marble arch
But love is not a victory march
It’s a cold and it’s a broken Hallelujah

Hallelujah, Hallelujah
Hallelujah, Hallelujah

Well there was a time when you let me know
What’s really going on below
But now you never show that to me do you
But remember when I moved in you
And the holy dove was moving too
And every breath we drew was hallelujah

Hallelujah, Hallelujah
Hallelujah, Hallelujah

I’ve done my best, it wasn’t much
I couldn’t feel, so I learned to touch
I’ve told the truth, I didn’t come to fool you
And even though
It all went wrong
I’ll stand before the Lord of Song
With nothing on my tongue but Hallelujah

Hallelujah, Hallelujah
Hallelujah, Hallelujah

Tradução de Hallelujah (“Aleluia”)

Eu soube que havia um acorde secreto
Que David tocava, e agradava o Senhor
Mas você não liga para música, não é?
É assim que é
A quarta, a quinta
O menor cai, e o maior sobe
O rei frustrado compõem Aleluia

Aleluia, Aleluia
Aleluia, Aleluia

Sua fé era forte mas precisava de provas
Você a viu tomando banho do telhado
A beleza dela e a luz do luar arruinaram você
Ela amarrou você
A cadeira da cozinha
Ela destruiu seu trono, cortou seu cabelo
E de seus lábios ela tirou a Aleluia

Aleluia, Aleluia
Aleluia, Aleluia

Baby, eu já estive aqui antes
Eu vi este quarto, andei neste chão
Eu vivia sozinho antes de conhecer você
E eu vi sua bandeira no arco de mármore
Mas o amor não é a Marcha da Vitória
É um aleluia frio e partido

Aleluia, Aleluia
Aleluia, Aleluia

Bem, talvez exista um Deus lá em cima
Mas tudo o que aprendi sobre o amor
Foi como atirar em alguém que te fez mal
E não é um choro que você ouve à noite
Não é um alguém que viu a luz
É um frio e partido Aleluia

Aleluia, Aleluia
Aleluia, Aleluia

Baby eu já estive aqui antes
Eu conheço este quarto e já caminhei por este chão
Eu costumava viver só antes de conhecer você
Eu vi sua bandeira sobre a coluna de mármore
Mas o amor não é uma marcha pela vitória
É um frio e partido Aleluia

Aleluia, Aleluia
Aleluia, Aleluia

Bem, houve um tempo em que você me deixava saber
O que realmente se pasava aí dentro
Mas agora você já não me mostra mais, não é?
Mas se lembre de quem eu me mudei para dentro de você
E o Espírito Santo também se mudou
E cada respiração que desenhávamos era uma Aleluia

Aleluia, Aleluia
Aleluia, Aleluia

Eu dei o meu melhor, não foi muito
Eu não senti, então tentei tocar
Eu disse a verdade, não vim te enganar
E mesmo assim
Deu tudo errado
Eu estou na frente do Senhor da Música
Sem nada na ponta da língua só Aleluia

Aleluia, Aleluia
Aleluia, Aleluia


Leonard Cohen


Espen Lind, Askil Holm, Alejandro Fuentes and Kurt Nilsen

Rufus Wainwright

John Cale

Katherine Jenkins

K.D. Lang

Justin Timberlake, Matt Morris and Charlie Sexton

Jeff Buckley

Alexandra Burke

Molly Sanden

Bon Jovi

Il Divo

Sarah Connor

Canadian Tenors

Isaias Garcia

Elisa Toffoli

Damien Leith

Jason Castro

Damien Rice

Allison Crowe

Categories: Músicas e Músicos Tags:

In My Life

December 5th, 2009 Comments off

In My Life” is a song by The Beatles written by John Lennon and Paul McCartney . The song originated with Lennon, and while Paul McCartney contributed to the final version, the extent of his contribution is in dispute. George Martin contributed the instrumental bridge.

Released on the 1965 album Rubber Soul, it is ranked 23rd on the Rolling Stone article “The 500 Greatest Songs of All Time” as well as fifth on their list of The Beatles 100 Greatest Songs.

The song placed second on CBC’s 50 Tracks. Mojo magazine named it the best song of all time in 2000.

Composition

According to Lennon, the song’s origins can be found when the English journalist Kenneth Allsop made a remark that Lennon should write songs about his childhood. Afterwards, Lennon wrote a song in the form of a long poem reminiscing on his childhood years. The original version of the lyrics was based on a bus route he used to take in Liverpool, naming various sites seen along the way, including Penny Lane and Strawberry Field.

However, Lennon found it to be “ridiculous”, calling it “the most boring sort of ‘What I Did On My Holidays Bus Trip’ song”; he reworked the words, replacing the specific memories with a generalised meditation on his past. “Very few lines” of the original version remained in the finished song.[4] According to Lennon’s friend and biographer Peter Shotton, the lines “Some [friends] are dead and some are living/In my life I’ve loved them all” referred to Stuart Sutcliffe (who died in 1962) and to Shotton.

Regarding authorship of the melody, Lennon’s and McCartney’s recollections differ. Referring to McCartney, Lennon said “his contribution melodically was the harmony and the middle-eight itself.” McCartney claimed he set Lennon’s lyrics to music from beginning to end, taking inspiration for the melody from songs by Smokey Robinson & the Miracles. “I liked ‘In My Life’. Those were words that John wrote and I wrote the tune to it. That was a great one.

Recording

The song was recorded on 18 October 1965, and was complete except for the instrumental bridge. At that time, Lennon had not decided what instrument to use, but he subsequently asked George Martin to play a piano solo, suggesting “something Baroque-sounding”. Martin wrote a Bach-influenced piece that he found he could not play at the song’s tempo. On 22 October, the solo was recorded at half-tempo (one octave lower) and tape speed was doubled for the final recording, solving the performance challenge and giving the piano solo a unique, harpsichord-like timbre.

Source: Wikipedia


In My Life Lyrics (John Lennon and Paul McCartney)

There are places I remember all my life,
Though some have changed,
Some forever, not for better,
Some have gone and some remain.

All these places had their moments
With lovers and friends I still can recall.
Some are dead and some are living.
In my life I’ve loved them all.

But of all these friends and lovers,
There is no one compares with you,
And these memories lose their meaning
When I think of love as something new.

Though I know I’ll never lose affection
For people and things that went before,
I know I’ll often stop and think about them,
In my life I’ll love you more.

Though I know I’ll never lose affection
For people and things that went before,
I know I’ll often stop and think about them,
In my life I’ll love you more.
In my life I’ll love you more.

Tradução de In My Life (“Em Minha Vida”)

Há lugares dos quais vou me lembrar
por toda a minha vida, embora alguns tenham mudado
Alguns para sempre, e não para melhor
Alguns já nem existem, outros permanecem

Todos esses lugares tiveram seus momentos
Com amores e amigos, dos quais ainda posso me lembrar
Alguns já se foram, outros ainda vivem
Em minha vida, amei todos eles

Mas de todos esses amigos e amores
Não há ninguém que se compare a você
E essas memórias perdem o sentido
Quando eu penso em amor como uma coisa nova

Embora eu saiba que eu nunca vou perder o afeto
por pessoas e coisas que vieram antes,
Eu sei que com freqüência eu vou parar e pensar nelas
Em minha vida, eu amo mais a você

Embora eu saiba que eu nunca vou perder o afeto
por pessoas e coisas que vieram antes,
Eu sei que com freqüência eu vou parar e pensar nelas
Em minha vida, eu amo mais a você
Em minha vida… eu amo mais a você


The Beatles

Sean Connery

Ozzy Osbourne

Glee

Steve Stills

Johnny Cash
http://www.youtube.com/watch?v=Ka2h0BMdUgU&feature=related

Susan Anton

Joseph Williams

Emi Fujita

RRSO Symphony Orchestra

Allison Crowe

Keith Moon

Judy Collins

James Taylor

Dave Matthews

Categories: Músicas e Músicos Tags: