Migrando da Yamaha XJ6N para a Yamaha Tmax

May 4th, 2016 Comments off

Yamaha XJ6 N (2014)

Yamaha XJ6 N (2014)

Yamaha Tmax (2014)

Yamaha Tmax (2014)


Yamaha Tmax (2014) com Bagageiro Original Yamaha

Quadro Comparativo das Características Técnicas

XJ6N Tmax Diferenças
Comprimento total 212,0 cm 220,0 cm +8,0 cm
Largura total 77,0 cm 77,5 cm +0,50 cm
Altura total 108,5 cm 147,5 cm +39,0 cm
Altura do Guidon 99,0 cm 104,0 cm +5,0 cm
Altura do assento 78,5 cm 80,0 cm +1,5 cm
Largura do assento 30,0 cm 34,0 cm +4,0 cm
Distância entre eixos 144,0 cm 158,0 cm +14,0 cm
Altura mínima do solo 14,0 cm  12,0 cm -2,0 cm
Capacidade do tanque de combustível 17,3 litros 15,0 litros -2,3 litros
Óleo do Motor 3,4 litros 3,4 litros 0,0 litros
Peso em ordem de marcha (1) 206,7 kg 220,0 kg +13,3 kg
Cilindrada  600 cc 530 cc -70 cc
Nº de Cilindros 4 2 -2
Taxa de compressão 12,2:1 10,9:1
Potência máxima (2) 77,5 cv a 10.000 rpm 46,5 cv a 6750 rpm -31,0 hp
Torque máximo 6,1 kgf.m a 8.500 rpm 5.3 kgf.m a 5250 rpm -0,8 kgf.m
Relação Peso / Potência (1)/(2) 2,7 kg/hp  4,7 kg/hp +2,0 kg/hp
Câmbio 6 velocidades Automático (CVT)
Transmissão Corrente Correia dentada
Pneu dianteiro 120/70 ZR17 M/C 58W 120/70R 15M/C 56H
Pneu traseiro 160/60 ZR17 M/C 69W 160/60R 15M/C 67H
Suspensão dianteira Garfo telescópico Garfo telescópico
Suspensão traseira Braço oscilante – monocross Braço oscilante – monocross
Curso suspensão dianteira 13,0 cm 12,0 cm -1,0 cm
Curso suspensão traseira 13,0 cm 11,6 cm -1,4 cm
Freio dianteiro Disco duplo hidráulico de 298 mm (ABS) Disco hidráulico duplo de 267 mm (ABS)  -3,1 mm
Freio traseiro Disco hidráulico de 245 mm (ABS) Disco hidráulico duplo de 282 mm (ABS)  +3,7 mm
Preço R$ 34.663  R$ 42.500
+R$ 7.837

 

Painel de Intrumentos da Yamaha XJ6N

Painel de Instrumentos da Yamaha Tmax (2014)

Videos Yamaha Tmax

Videos Yamaha Tmax Customizadas


Categories: Motos e Afins Tags:

Yamaha Tmax Cafe Racer

May 4th, 2016 Comments off

Californian custom bike builder Roland Sands likes to tread an unconventional path for his creations. A love of track riding ensures that as well as looking great, his customized specials have enhanced performance and a stripped back style.

Never one to shy away from a challenge, Roland gained inspiration for his Hyper Modified by seeing pictures of the maxi-scooter during its development process.

With this Hyper Modified project we wanted to take the TMAX back to the basics. I saw a picture of one naked and was blown away by what was underneath the fairing. I was surprised as structurally the TMAX looked really cool — different and a little bit weird, which appeals to me. I was intrigued and started thinking about the possibilities of taking this mechanical beauty and using it to create the look of the bike…

When setting out to do something completely different you must sometimes take the road less traveled. In the case of the Tmax the equivalent was that of walking on Mars. There was nothing easy about this project. No guidelines, no magazines, nor pages of internet content to help guide crucial design decisions.

There was no one to call on the I phone or be inspired by. There really was nothing but our own thoughts and inspirations. From Surf scooter to boy racer and back again the pendulum swung. In the end the racer fought its way to the front of our consciousness to overcome the awkward and strange flow of the naked machine.

The finished product appeals to the rider in us.

After enjoying the challenge of building a Hyper Modified Vmax against Ludovic Lazareth and Marcus Walz we decided to give it another shot….this time with the TMAX! Watch our vid below and let us know what you think.




Fonte: Roland Sands Design

Categories: Motos e Afins Tags:

Trabalho Interno (Inside Job)

May 25th, 2015 Comments off

Trabalho interno” é um documentário de 2010 acerca da crise financeira global de 2007-2012 dirigida por Charles H. Ferguson. O filme é descrito por Ferguson como sendo sobre “a corrupção sistêmica dos Estados Unidos pela indústria de serviços financeiros e as consequências da corrupção sistêmica.”

Em cinco partes, o filme explora como as mudanças no ambiente político e as práticas bancárias ajudaram a criar a crise financeira. Trabalho Interno foi então bem recebido pela crítica que louvou seu ritmo, pesquisa e exposição de material complexo.

Foi exibido no Festival de Cannes de 2010 em maio e ganhou o Oscar de melhor documentário de 2011. Contou com entrevistas de George Soros, Barney Frank, Lee Hsien Loong, Christine Lagarde, Eliot Spitzer, Dominique Strauss-Kahn, entre outros.

Sinopse

O documentário está dividido em cinco partes. Ele começa examinando como a Islândia estava altamente desregulada em 2000 e a privatização de seus bancos. Quando o Lehman Brothers foi à bancarrota e o AIG entrou em colapso, a Islândia e o resto do mundo entraram em uma recessão global.

Parte I: Como chegamos aqui

A indústria financeira americana estava regulada de 1940 a 1980, seguida de um longo período de desregulação. No fim da década de 1980, a crise de empréstimo e da economia custou aos contribuintes cerca de 124 bilhões de dólares. Nos finais da década de 1990, o setor financeiro se consolidou em algumas firmas gigantes. Em 2001, a bolha pontocom explodiu porque os bancos de investimento promoveram companhias de Internet, que sabiam que faliriam, resultando em 5000 bilhões de dólares em perdas de investidores. Nos anos 90, os derivativos se tornaram populares na indústria e aumentaram a instabilidade. Esforços em regular derivativos foram contrariados pelo Commodity Futures Modernization Act of 2000, apoiado por vários funcionários-chave. Nos anos 2000, a indústria foi dominada por cinco bancos de investimento: (o Goldman Sachs, o Morgan Stanley, o Lehman Brothers, o Merrill Lynch e o Bear Stearns), dois conglomerados financeiros (o Citigroup, o JPMorgan Chase), três companhias de seguro securitizadas (AIG, MBIA, AMBAC) e as as três agências de classificação de risco de crédito: (Moody’s, Standard & Poors e Fitch).

Os bancos de investimento empacotaram hipotecas com outros empréstimos e débitos em obrigações de dívida colateralizada (CDOs), que eles venderam aos investidores. As agências de classificação deram a muitos CDOs classificações AAA. Os empréstimos subprime levaram ao empréstimo predatório. A muitos proprietários de residência foram dados empréstimos que eles nunca poderiam saldar.

Parte II: A Bolha (2001-2007)

Durante o boom da habitação, a proporção de dinheiro pedida emprestada por um banco de investimento versus os próprios ativos do banco alcançaram níveis sem precedentes. A permuta padrão de créditos (CDS), era aparentada à uma política securitária. Os especuladores poderiam comprar CDSs para apostar contra CDOs que não possuíam. Numerosos CDOs foram apoiados por hipotecas subprime. O Goldman-Sachs vendem mais ações do que valem. Venderam os 3000 milhões de dólares de CDOs na primeira metade de 2006. O Goldman também apostou contra os CDOs de baixo valor, dizendo aos investidores que eram de alta qualidade. As três maiores agências de classificação contribuíram para o problema. Os instrumentos de classificação subiram direto de um mero punhado em 2000 para mais que 4.000 em 2006.

Parte III: A Crise

O mercado para CDO colapsou e bancos de investimento foram deixados com centenas de milhares de milhões de dólares em empréstimos, os CDOs e o estado real que eles não poderiam se desfazer. A Grande Recessão começou em novembro de 2007 e em março de 2008 o Bear Stearns ficou sem dinheiro em espécie. Em setembro, o governo federal assumiu o Fannie Mae e o Freddie Mac, que tinham estado à beira do colapso. Dois dias mais tarde, o Lehman Brothers colapsou. Todas estas entidades tinham classificações AA ou AAA dias antes de serem socorridas. Merrill Lynch, na extremidade do colapso, foi adquirido pelo Bank of America. Henry Paulson e Timothy Geithner decidiram que o Lehman deveria entrar em falência, o que resultou em um colapso do mercado de notas promissórias. Em 17 de setembro, o insolvente AIG foi assumido pelo governo. No dia seguinte, Paulson e o presidente do Fed, Ben Bernanke, pediram ao Congresso US$ 700 bilhões para socorrer os bancos. O sistema financeiro global se tornou paralisado. Em 3 de outubro de 2008, o presidente Bush assinou o Troubled Asset Relief Program, mas os mercados de ações globais continuaram a despencar. Demissões e embargos continuaram com o desemprego crescendo a 10% nos EUA e na União Europeia. Por volta de dezembro de 2008, a GM e a Chrysler também enfrentaram a falência. Os embargos nos EUA atingiram níveis sem precedentes.

Parte IV: Responsabilidade

Os altos executivos das companhias insolventes se afastaram com suas fortunas pessoais intactas. Os executivos tinham escolhido a dedo seu quadro de diretores, que entregava bilhões em bônus após o socorro do governo. Os maiores bancos cresceram em força e duplicaram os esforços anti-reforma. Os economistas acadêmicos tinham defendido por décadas a desregulação e ajudaram a moldar a política dos EUA. Eles ainda se opuseram à reforma depois da crise de 2008. Algumas das firmas de consultoria envolvidas foram a Analysis Group, a Charles River Associates, a Compass Lexecon, e o Grupo Consultivo de Economia e Direito (LECG). Muitos destes economistas tinham conflitos de interesse, coletando dinheiro como consultores de companhias e de outros grupos envolvidos na crise financeira.

Parte V: Onde estamos agora

Dezenas de milhares de trabalhadores de fábrica dos EUA estão demitidos. As novas reformas financeiras da administração Obama foram fracas e não havia nenhuma regulação importante sobre as práticas de agências de classificação, lobistas e compensação executiva. Geithner se tornou Secretário do Tesouro. Feldstein, Tyson e Summers também foram altos conselheiros econômicos de Obama. Bernanke foi reconduzido à presidência do Fed. As nações europeias impuseram regras limitantes na compensação bancária, mas os EUA resistiram a estas.

Recepção

O filme recebeu revisões positivas, alcançando uma classificação de 97% no site dos Rotten Tomatoes. Roger Ebert descreveu o filme como “um documentário raivoso bem fundamentado sobre como a indústria financeira americana demonstrou deliberadamente espoliar o investidor americano ordinário.” A.O. Scott do New York Times escreveu que “Mr. Ferguson tinha convocado a força moral flagelante de um sermão de sacudir o púlpito. Ao que ele entrega com rigor, restrição e bom humor faz deste caso todo o mais devastador.” Logan Hill da revista Vulture da New York, caracterizou o filme como um “documentário indignado de tirar o fôlego,” observando a “presença effetiva” do narrador Matt Damon.6 Peter Bradshaw do The Guardian disse que o filme era “de prender a atenção tanto quanto qualquer suspense.” Ele prosseguiu dizendo que era obviamente influenciado por Michael Moore, descrevendo-o como “um filme de Moore com aos truques e piruetas removidas.”

O filme foi selecionado para uma exibição especial no Festival de Cannes 2010. Um revisor escrevendo de Cannes caracterizou o filme como “um história complexa muito bem contada e com uma grande dose de raiva sem interrupção.”

A revista política conservadora The American Spectator criticou o filme como intelectualmente incoerente e impreciso, acusando Ferguson de responsabilizar “um bando de pessoas más [com] pontos de vista econômicos e políticos à direita do [seu].”

Fonte: Wikipedia

Categories: Documentários Tags:

Transformamos problemas cotidianos em transtornos mentais

March 22nd, 2015 Comments off

Catedrático emérito da Universidade Duke comandou a redação da ‘bíblia’ dos psiquiatras

Allen Frances (Nova York, 1942) dirigiu durante anos o Manual Diagnóstico e Estatístico (DSM), documento que define e descreve as diferentes doenças mentais. Esse manual, considerado a bíblia dos psiquiatras, é revisado periodicamente para ser adaptado aos avanços do conhecimento científico. Frances dirigiu a equipe que redigiu o DSM IV, ao qual se seguiu uma quinta revisão que ampliou enormemente o número de transtornos patológicos. Em seu livro Saving Normal (inédito no Brasil), ele faz uma autocrítica e questiona o fato de a principal referência acadêmica da psiquiatria contribuir para a crescente medicalização da vida.

Pergunta. No livro, o senhor faz um mea culpa, mas é ainda mais duro com o trabalho de seus colegas do DSM V. Por quê?

Resposta. Fomos muito conservadores e só introduzimos [no DSM IV] dois dos 94 novos transtornos mentais sugeridos. Ao acabar, nos felicitamos, convencidos de que tínhamos feito um bom trabalho. Mas o DSM IV acabou sendo um dique frágil demais para frear o impulso agressivo e diabolicamente ardiloso das empresas farmacêuticas no sentido de introduzir novas entidades patológicas. Não soubemos nos antecipar ao poder dos laboratórios de fazer médicos, pais e pacientes acreditarem que o transtorno psiquiátrico é algo muito comum e de fácil solução. O resultado foi uma inflação diagnóstica que causa muito dano, especialmente na psiquiatria infantil. Agora, a ampliação de síndromes e patologias no DSM V vai transformar a atual inflação diagnóstica em hiperinflação.

P. Seremos todos considerados doentes mentais?

R. Algo assim. Há seis anos, encontrei amigos e colegas que tinham participado da última revisão e os vi tão entusiasmados que não pude senão recorrer à ironia: vocês ampliaram tanto a lista de patologias, eu disse a eles, que eu mesmo me reconheço em muitos desses transtornos. Com frequência me esqueço das coisas, de modo que certamente tenho uma demência em estágio preliminar; de vez em quando como muito, então provavelmente tenho a síndrome do comedor compulsivo; e, como quando minha mulher morreu a tristeza durou mais de uma semana e ainda me dói, devo ter caído em uma depressão. É absurdo. Criamos um sistema de diagnóstico que transforma problemas cotidianos e normais da vida em transtornos mentais.

Não soubemos nos antecipar ao poder dos laboratórios de criar novas doenças

P. Com a colaboração da indústria farmacêutica…

R. É óbvio. Graças àqueles que lhes permitiram fazer publicidade de seus produtos, os laboratórios estão enganando o público, fazendo acreditar que os problemas se resolvem com comprimidos. Mas não é assim. Os fármacos são necessários e muito úteis em transtornos mentais severos e persistentes, que provocam uma grande incapacidade. Mas não ajudam nos problemas cotidianos, pelo contrário: o excesso de medicação causa mais danos que benefícios. Não existe tratamento mágico contra o mal-estar.

P. O que propõe para frear essa tendência?

R. Controlar melhor a indústria e educar de novo os médicos e a sociedade, que aceita de forma muito acrítica as facilidades oferecidas para se medicar, o que está provocando além do mais a aparição de um perigosíssimo mercado clandestino de fármacos psiquiátricos. Em meu país, 30% dos estudantes universitários e 10% dos do ensino médio compram fármacos no mercado ilegal. Há um tipo de narcótico que cria muita dependência e pode dar lugar a casos de overdose e morte. Atualmente, já há mais mortes por abuso de medicamentos do que por consumo de drogas.

P. Em 2009, um estudo realizado na Holanda concluiu que 34% das crianças entre 5 e 15 anos eram tratadas por hiperatividade e déficit de atenção. É crível que uma em cada três crianças seja hiperativa?

R. Claro que não. A incidência real está em torno de 2% a 3% da população infantil e, entretanto, 11% das crianças nos EUA estão diagnosticadas como tal e, no caso dos adolescentes homens, 20%, sendo que metade é tratada com fármacos. Outro dado surpreendente: entre as crianças em tratamento, mais de 10.000 têm menos de três anos! Isso é algo selvagem, desumano. Os melhores especialistas, aqueles que honestamente ajudaram a definir a patologia, estão horrorizados. Perdeu-se o controle.

P. E há tanta síndrome de Asperger como indicam as estatísticas sobre tratamentos psiquiátricos?

R. Esse foi um dos dois novos transtornos que incorporamos no DSM IV, e em pouco tempo o diagnóstico de autismo se triplicou. O mesmo ocorreu com a hiperatividade. Calculamos que, com os novos critérios, os diagnósticos aumentariam em 15%, mas houve uma mudança brusca a partir de 1997, quando os laboratórios lançaram no mercado fármacos novos e muito caros, e além disso puderam fazer publicidade. O diagnóstico se multiplicou por 40.

Os seres humanos sobrevivem há milhões de anos graças à capacidade de confrontar a adversidade

P. A influência dos laboratórios é evidente, mas um psiquiatra dificilmente prescreverá psicoestimulantes a uma criança sem pais angustiados que corram para o seu consultório, porque a professora disse que a criança não progride adequadamente, e eles temem que ela perca oportunidades de competir na vida. Até que ponto esses fatores culturais influenciam?

R. Sobre isto tenho três coisas a dizer. Primeiro, não há evidência em longo prazo de que a medicação contribua para melhorar os resultados escolares. Em curto prazo, pode acalmar a criança, inclusive ajudá-la a se concentrar melhor em suas tarefas. Mas em longo prazo esses benefícios não foram demonstrados. Segundo: estamos fazendo um experimento em grande escala com essas crianças, porque não sabemos que efeitos adversos esses fármacos podem ter com o passar do tempo. Assim como não nos ocorre receitar testosterona a uma criança para que renda mais no futebol, tampouco faz sentido tentar melhorar o rendimento escolar com fármacos. Terceiro: temos de aceitar que há diferenças entre as crianças e que nem todas cabem em um molde de normalidade que tornamos cada vez mais estreito. É muito importante que os pais protejam seus filhos, mas do excesso de medicação.

P. Na medicalização da vida, não influi também a cultura hedonista que busca o bem-estar a qualquer preço?

R. Os seres humanos são criaturas muito maleáveis. Sobrevivemos há milhões de anos graças a essa capacidade de confrontar a adversidade e nos sobrepor a ela. Agora mesmo, no Iraque ou na Síria, a vida pode ser um inferno. E entretanto as pessoas lutam para sobreviver. Se vivermos imersos em uma cultura que lança mão dos comprimidos diante de qualquer problema, vai se reduzir a nossa capacidade de confrontar o estresse e também a segurança em nós mesmos. Se esse comportamento se generalizar, a sociedade inteira se debilitará frente à adversidade. Além disso, quando tratamos um processo banal como se fosse uma enfermidade, diminuímos a dignidade de quem verdadeiramente a sofre.

P. E ser rotulado como alguém que sofre um transtorno mental não tem consequências também?

R. Muitas, e de fato a cada semana recebo emails de pais cujos filhos foram diagnosticados com um transtorno mental e estão desesperados por causa do preconceito que esse rótulo acarreta. É muito fácil fazer um diagnóstico errôneo, mas muito difícil reverter os danos que isso causa. Tanto no social como pelos efeitos adversos que o tratamento pode ter. Felizmente, está crescendo uma corrente crítica em relação a essas práticas. O próximo passo é conscientizar as pessoas de que remédio demais faz mal para a saúde.

P. Não vai ser fácil…

R. Certo, mas a mudança cultural é possível. Temos um exemplo magnífico: há 25 anos, nos EUA, 65% da população fumava. Agora, são menos de 20%. É um dos maiores avanços em saúde da história recente, e foi conseguido por uma mudança cultural. As fábricas de cigarro gastavam enormes somas de dinheiro para desinformar. O mesmo que ocorre agora com certos medicamentos psiquiátricos. Custou muito deslanchar as evidências científicas sobre o tabaco, mas, quando se conseguiu, a mudança foi muito rápida.

P. Nos últimos anos as autoridades sanitárias tomaram medidas para reduzir a pressão dos laboratórios sobre os médicos. Mas agora se deram conta de que podem influenciar o médico gerando demandas nos pacientes.

R. Há estudos que demonstram que, quando um paciente pede um medicamento, há 20 vezes mais possibilidades de ele ser prescrito do que se a decisão coubesse apenas ao médico. Na Austrália, alguns laboratórios exigiam pessoas de muito boa aparência para o cargo de visitador médico, porque haviam comprovado que gente bonita entrava com mais facilidade nos consultórios. A esse ponto chegamos. Agora temos de trabalhar para obter uma mudança de atitude nas pessoas.

P. Em que sentido?

R. Que em vez de ir ao médico em busca da pílula mágica para algo tenhamos uma atitude mais precavida. Que o normal seja que o paciente interrogue o médico cada vez que este receita algo. Perguntar por que prescreve, que benefícios traz, que efeitos adversos causará, se há outras alternativas. Se o paciente mostrar uma atitude resistente, é mais provável que os fármacos receitados a ele sejam justificados.

P. E também será preciso mudar hábitos.

R. Sim, e deixe-me lhe dizer um problema que observei. É preciso mudar os hábitos de sono! Vocês sofrem com uma grave falta de sono, e isso provoca ansiedade e irritabilidade. Jantar às 22h e ir dormir à meia-noite ou à 1h fazia sentido quando vocês faziam a sesta. O cérebro elimina toxinas à noite. Quem dorme pouco tem problemas, tanto físicos como psíquicos.

Fonte: El País

Veja também:

  • Conheça os DSM-IV Codes (the classification found in the Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, 4th Edition, Text Revision)
Categories: Coisas da Saúde Tags:

Joe Cocker – Um Tributo (RIP)

December 25th, 2014 Comments off

John Robert Cocker, OBE (Sheffield, 20 de maio de 1944 — Crawford, 22 de dezembro de 2014) foi um cantor britânico de rock, influenciado pela soul music no início da carreira1 .

Começou sua carreira musical em sua cidade natal na Inglaterra, aos quinze anos de idade. Com o nome artístico de Vance Arnold tocou com The Avengers, depois Big Blues1 (1963) e então a Grease Band (a partir de 1966). Em 1969 ele foi o astro convidado do programa The Ed Sullivan Show.

Seu primeiro grande sucesso foi a antológica canção “With a Little Help from My Friends”, uma versão da música dos Beatles gravada com o guitarrista Jimmy Page. No mesmo ano ele apareceu no Festival de Woodstock, com um show consagrador, sobre o qual ele fala no livro Woodstock, do jornalista [Pete Fornatale] : “Tivemos uma reação emocionante quando tocamos With a Little Help from My Friends. Foi como um sentido maravilhoso de comunicação. Era o último número do show, eu lembro, mas senti que finalmente tínhamos nos comunicado com alguém”.

Coker ainda conseguiu mais alguns hits com “She Came Through the Bathroom Window” (outra versão de uma música dos Beatles), “Cry Me a River” e “Feelin Alright”. Em 1970 sua versão ao vivo do sucesso “The Letter” dos Box Tops, lançado na compilação Mad Dogs & Englishmen tornou-se sua primeira canção a entrar no Top Ten americano.

Nos shows Cocker exibia uma intensidade física incrível enquanto cantava, e sua presença no palco era frequentemente parodiada por John Belushi (houve até mesmo um dueto improvável quando Joe foi convidado especial do Saturday Night Live.)

No começo dos anos 70 ele teve problemas com drogas e álcool que acabaram atrapalhando sua carreira. Ele conseguiu, entretanto, se livrar e retornar nos anos 80, conseguindo grande sucesso até os anos 90 com as canções “Don’t You Love Me Anymore””Up Where We Belong”, “You Are So Beautiful”, “When The Night Comes” e “Unchain My Heart”, tema da novela brasileira Sassaricando. É conhecido no Brasil por cantar o tema de abertura da série Anos Incríveis, exibido pela TV Cultura, TV Bandeirantes, Multishow e Rede 21, até voltar à TV Cultura. Em 2002 sua regravação da musica Never Tear us apart da banda INXS foi tema de sucesso da novela Coração de Estudante.

Em 2007, fez uma participação especial em Across the Universe, longa-metragem musical de Julie Taymor, interpretando a música Come Together, dos Beatles.

Em 22 de dezembro de 2014, morreu aos 70 anos de idade, vítima de um câncer de pulmão em sua casa no Colorado.2

Fonte: Wikipedia

Joe Cocker Dead at 70 of Lung Cancer

N’Oubliez Jamais, Live in Köln (2013)

With A Little Help From My Friends, Live in Cologne (2013)

With A Little Help From My Friends, Live at “Queen’s Golden Jubilee” (2006)

Live at Woodstock (1969)

Live in Italy (1981)

Live in Munchen (1982)

Live at Rockpalast (1983)

Live in Dortmund (1984)

Live at Montreux (1987)

Live in Berlin (1988)

Live in Dortmund (1992)

Live at Woodstock (1994)

Live in Baden-Baden, “Organic Tour” (1996)

Live in Berlin, “Across from Midnight Tour” (1997)

Live in Cologne, “Respect Yourself” (2002)

Live in Kiev (2013)

Live in Warsaw (2013)

Live in Cologne, “Fire it Up” (2013)

Categories: Diversos Tags: